Portos e Terminais

Estudo da ANTAQ indica que os preços de THC divulgados pelos armadores estão em linha com os praticados nos principais complexos portuários brasileiros

dez, 03, 2019 Postado porSylvia Schandert

Semana201950

Estudo, desenvolvido pela Superintendência de Desempenho, Desenvolvimento e Sustentabilidade – SDS, da Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ apontou que, em aproximadamente 71% das operações de transporte marítimo realizadas em 2019, os valores divulgados por grandes transportadores marítimos – CMA-CGM, Hapag-Lloyd e Hamburg Süd -, para os principais portos brasileiros na movimentação de contêineres, estão em linha com os valores declarados no Sistema Mercante, cujo acesso é feito pela ANTAQ por intermédio do Sistema Porto sem Papel (PSP).

Esse percentual varia de acordo com o transportador marítimo e o tipo de contêiner, tendo atingido 83% para contêineres high cube de 40 pés a 17,8% para contêineres refrigerados de 40 pés.

De forma geral, para os valores considerados como diferentes dos valores de referência divulgados, aproximadamente metade foram declarados acima e metade abaixo desses patamares. Nos casos de valores abaixo do divulgado, o desconto mediano foi de 17,5%, ao passo que, para os valores superiores, o acréscimo mediano foi de 30,5%.

Os portos/complexos portuários brasileiros considerados foram Santos (SP), Itajaí-Portonave (SC), Paranaguá-Antonina (PR), Rio Grande (RS), Itapoá-São Francisco do Sul (SC), Manaus (AM), Suape-Recife (PE) e Pecém-Fortaleza (CE), que, juntos, representaram 85% da movimentação de contêineres do país, em 2018.

A Taxa de Movimentação no Terminal, mais conhecida como Terminal Handling Charge – THC, é o preço cobrado pelos serviços de movimentação de carga entre o portão do terminal portuário e o costado da embarcação, incluída a guarda transitória das cargas pelo prazo contratado entre o transportador marítimo, ou seu representante, e instalação portuária ou operador portuário, no caso da exportação, ou entre o costado da embarcação e sua colocação na pilha do terminal portuário no caso da importação.

Sharing is caring!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *