Hidrovia Paraná-Paraguai (Paraguay Paraná Waterway)
Navegação

Empresa chinesa entra na concorrência para controlar trecho da Hidrovia Paraguai-Paraná

nov, 19, 2020 Postado porSylvia Schandert

Semana202048

Uma empresa chinesa entrou na concorrência  para controlar um trecho da Hidrovia Paraguai-Paraná, juntando-se a quatro europeias que buscam ganhar a concessão para aprofundar o calado e realizar manutenção em cerca de 1.238 quilômetros do curso do rio a partir de 2021.

A Hidrovia Paraguai-Paraná é um eixo estruturante do comércio internacional da Argentina, mas também dos países vizinhos, uma vez que a hidrovia atravessa cerca de 3.600 quilômetros, ligando também Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai.

Segundo a agência AFP, a chinesa Shanghai Dredging Company quer obter a concessão da obra entre a confluência dos rios Paraná e Paraguai e o Rio de la Plata. Essas gigantescas obras de infraestrutura vão exigir um investimento estimado de 3,8 bilhões de dólares, segundo a Bolsa de Valores de Rosário.

A empresa chinesa terá de concorrer com a atual concessionária, a belga Jan De Nul, que está no comando há 25 anos, bem como com a Dredging International, também da Bélgica, e com Boskalis e Van Oord, da Holanda.

O trecho a ser concessionado tem 1.238 quilômetros de extensão, cerca de 25 portos exportadores e uma movimentação de grãos que no ano passado foi de 92 milhões de toneladas. Cerca de 80 milhões de toneladas saíram dos portos em navios e o restante em barcaças que descem do Norte com grãos brasileiros, bolivianos e paraguaios, disse à AFP Alfredo Sesé, especialista da Bolsa de Rosário.

Dos portos da Grande Rosário são exportados 80% dos 120 milhões de toneladas de grãos e cereais produzidos pela Argentina.

A aposta principal é a melhoria do tramo sul, que liga os portos ao Atlântico, com o aprofundamento de alguns trechos para permitir a entrada e saída de navios com maior capacidade de carga. “O calado com água normal é de 34 pés e a profundidade em passagens críticas é de 36. Prevê-se que chegue a 42 pés de profundidade em áreas específicas”, disse Sesé.

Fonte: Portal Portuário

Sharing is caring!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *