Economia

Embaixador da Argentina no Mercosul quer novas tarifas para impulsionar a produção local

maio, 03, 2021 Postado porAndrew Lorimer

Semana202119

O embaixador da Argentina no Mercosul, Mariano Kestelboim, disse no domingo ser a favor de “uma nova tarifa externa comum que promova o desenvolvimento produtivo”.

Kestelboim, economista de profissão e também embaixador da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), entidade formada pelos países da América do Sul (exceto Guiana e Suriname) mais México, Cuba e Panamá, explicou em entrevista ao Télam agência, que o bloco regional “precisa de uma nova Tarifa Externa Comum (TEC) que se ajuste às características produtivas atuais” e, por sua vez, “promova o desenvolvimento das capacidades regionais”.

Ele também argumentou que o Mercosul é “benéfico” para os países menores do bloco, porque dada a forma como os países se associam em nível global, “é muito difícil avançar com sucesso com estratégias individualistas”.

O governante argentino explicou que a atual TEC foi promulgada há cerca de 25 anos e desde então não sofreu nenhum tipo de modificação substancial, enquanto a estrutura produtiva local e regional junto com o comércio internacional passaram por mudanças fundamentais que merecem uma revisão mais aprofundada. do AEC.

“Como resultado do avanço nos sistemas de controle e do desenvolvimento das TIC, as empresas megaindustriais surgiram com capacidades de produção principalmente na Ásia – e especificamente na China – com capacidades de produção que há 30 anos eram impensáveis. Isso implicou que as escalas mínimas ideais cresceram notavelmente em setores como produtos químicos, farmacêuticos, plásticos, que hoje têm enormes economias de escala e barreiras de entrada quase intransponíveis. Assim, há 25 ou 30 anos, poderíamos pensar em ter capacidade produtiva em algumas áreas nas quais não podemos mais competir ”.

Mas também argumentou que “nos parece que uma proposta de redução linear e transversal como a do Brasil não leva em conta essas modificações estruturais das capacidades produtivas e do comércio internacional que merecem uma modificação mais ambiciosa da TEC no sentido de passos crescentes. Se simplesmente fizermos uma modificação transversal de 10% para todos os cargos, não estaremos impactando com toda a força necessária para estimular o desenvolvimento produtivo. Não é o mesmo que cobrar uma taxa por tecnologia que melhora a produção local do que por um produto substituto de um que é produzido aqui. No primeiro caso, pode ser positivo; no segundo, a fabricação local é desencorajada. Avançar com a proposta brasileira seria perder uma oportunidade, já que não é fácil reunir os 4 países para discutir e modificar a TEC na sua totalidade ”.

Kestelboim insistiu que a proposta da Argentina visa “gerar uma escalada maior no nível de valor agregado; ou seja, onde houver capacidade produtiva na região, não haverá redução tarifária ”, que se aplicará a“ bens e serviços que não fabricamos e precisamos importar para que a produção seja mais competitiva ”.

Fonte: MercoPress

Sharing is caring!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *